Saltar para menu de navegação principal Saltar para conteúdo principal Saltar para rodapé do site

Artigos originais

Vol. 1 N.º 00001 (2021): Primeira Edição

Estruturação da prática e desempenho motor no ensino aprendizagem de sequências de Dança Moderna

Publicado
20.07.2021

Resumo

Com o objetivo de determinar os efeitos de métodos diferenciados de organização pedagógica relativamente à aprendizagem de habilidades sequenciadas de dança elaborámos uma sequência com 45 habilidades de dança moderna e aplicámos dois instrumentos de verificação: um teste motor, relativo a 9 habilidades critério retiradas da sequência e uma lista de verificação da tarefa. Analisámos, também, o grau de satisfação do aluno durante a intervenção, utilizando para o efeito o questionário de perceção do conforto (Jenkins & Byra, 2000). As 69 alunas de dança com 18.10±4.26 (± SD) anos aprenderam a sequência (com 16x8tps+4tps, 4 frases de movimento e a duração de 1 minuto) em 4 sessões efetivas de ensino-aprendizagem e recordaram-na 26 dias depois. As participantes distribuíram se por 3 grupos segundo o tipo de estratégia: 1 - prática pelo todo, 2 - prática por partes (segmentação/encadeamento) e 3 - sem definição de estratégia (grupo de controlo). Os resultados apontam para uma superioridade significativa da estratégia pelo todo na reprodução do padrão motor, na qualidade de desempenho e na sincronização rítmica, apenas na fase inicial da aquisição, atenuando-se as diferenças ao longo da intervenção. Apesar desta evolução inicial mais rápida observada na estratégia global, notamos que ambas as estratégias permitem aos alunos uma retenção consistente das habilidades sequenciadas de dança, acompanhada de uma perceção de conforto positiva na prática.

Referências

  1. Alves, M. J. (2007). Ensino-aprendizagem de dança moderna: Estratégias de estruturação da prática e desempenho motor em habilidades sequenciadas de dança. Tese de doutoramento não publicada. Cruz Quebrada: Faculdade de Motricidade Humana.
  2. Blischke, K., Marschall, F., Müller, H., & Daugs, R. (1999). Augmented information in motor skill acquisition. em Y. V. Auweele, F. Bakker, S. Biddle, M. Durand, & R. Seiler (Eds.), Psychology for physical educators. Champaign: Human Kinetics, 257-287.
  3. Cadopi, M. (2001). “La motricité du danseur: approches cognitive et développementale” em S. Faure, C. Assaïante, M. Cadopi, M. Coltice, M. Lord, & P.-E., Sorignet (Eds.), Un état des lieux de la recherche sur les apprentissages et les motricités de la danse chorégraphiée. Rapport de recherche pour la synthèse Développement et apprentissage des activités et perceptions artistiques, Ministère de la Recherche.
  4. Chamberlin, C., & Lee, T. (1993). “Arranging practice conditions and designing instruction” em R. Singer, M. Murphey, & K. Tennant (Eds.), Handbook of research on sport psychology. New York: Macmillan Publishing Company, 213-241.
  5. Deakin, J. M, & Allard, F. (1991). Skilled memory in expert figure skaters [Versão eletrónica] em Memory, & Cognition, 19 (1), 79-86.
  6. Hautala, R. M. (1988). “Does transfer of training help children learn juggling?” em Percetual and Motor Skills, 67 (2), 563-567.
  7. Horn, R. R. Williams, A. M., & Scott, M. A. (2002). “Learning from demonstrations: The role of visual search during observational learning from video and point-light models” em Journal of Sports Sciences, 20, 253-269.
  8. Jack, R., Kirshenbaum, N., Poon, P., Rodgers, W., & Starkes, J. (1999). “Metacognitive diferences in experts and novices in self directed learning” em Journal of Sport, & Exercise Psychology, 21 (Supplement), S61.
  9. Jean, J., Cadopi, M., & Delcor, L. (2001). “Rappel différé de séquences de mouvements chez les danseurs experts” em Actes du IXème Congrès International des Chercheurs en Activités Physiques et Sportives, 1-3 novembro 2001, Valence.
  10. Jenkins, J., & Byra, M. (2000). “An exploration of theoretical constructs associated with the spectrum of teaching styles” em F. Carreiro da Costa, J. A. Diniz, L. M. Carvalho, & M. O. Onofre (Eds.), Research on teaching and research on teacher education: Proceedings of the Lisbon AIESEP international seminar 1996. Cruz Quebrada: FMH Edições, 103-108.
  11. Laugier, C., & Cadopi, M. (1996). “Representational guidance of dance performance in adult novices: Effect of concrete vs. abstract movement” em International Journal of Sport Psychology, 27 (1), 91-108.
  12. Lee, T. D., Chamberlin, C. J., & Hodges, N. J. (2001). “Practice” em R. N. Singer, H. A. Hansenblas, & C. M. Janelle, (Eds.), Handbook of sport psychology. New York: John Wiley, & Sons, 115- 143.
  13. Magill, R. A. (1998a). “Instruction and augmented feedback“ em Motor learning: Concepts and applications. 5.ª ed. New York: McGraw-Hill, 171- 224.
  14. Magill, R. A. (1998b). “Practice conditions” em Motor learning: Concepts and applications. 5.ª ed. New York: McGraw-Hill, 225-264.
  15. Mané, A. M., Adams, J. A., & Donchin, E. (1989). Adaptative and part-whole training in the acquisition of a complex percetual-motor skill” em Acta Psychologica, 71 (1-3), 179-196.
  16. Newell, K. M., & Rovegno, I. (1990). “Motor learning: Theory and practice” em Journal of Teaching in Physical Education, 42 (2), 184-192.
  17. Phye, G. D. (1986). “Practice and skilled classroom performance” em G. D. Phye, & T. Andre (Eds.), Cognitive classroom learning: Understanding, thinking and problem solving. San Diego: Academic Press, 141-168.
  18. Puretz, S. (1988). “Psychology research and the dance teacher” em P. M. Clarkson, & M. Skrinar (Eds.), Science of dance training. Champaign: Human Kinetics, 279-287.